Propaganda: quem manda no meu desejo?*

Já escrevi aqui sobre o que nos motiva a fazer o que é certo. Agora, quero escrever sobre algo que nos motiva a fazer potencialmente qualquer coisa!

Você assiste a um comercial de carro ou vê uma foto, muito boa, de uns brigadeiros. Isso pode mexer com você de um modo especial. Ativa um estado de tensão chamado DESEJO.

Quando o sentimos, ele parece puro e primário. Afinal, nasceu dentro de nós. Mas aquilo que desejamos recebe grande influência do meio, das mídias, que têm um efeito poderoso sobre o que sentimos e como nos comportamos.

Exemplo: Por que pagar milhões à Fátima Bernardes, pra falar sobre presunto? Porque ela é bonita, simpática e tem credibilidade. Sendo assim, estamos predispostos a acreditar no que ela diz ou mostra. Quando estivermos diante do balcão de frios do supermercado, há boa chance de nos lembrarmos disso e levar o presunto da marca anunciada por ela.

Por isso a propaganda sempre busca se associar às nossas crenças positivas, aos nossos sonhos e aspirações. Para obter de nós uma ação específica: pagar para ter aquele produto.

Mas nem tudo que desejamos pode ser comprado. Sempre podemos desejar coisas que serão ótimas para nós, que nos ajudarão e que, talvez até, beneficiem muitas outras pessoas. E podemos desejar coisas que nos arrastam para dificuldades, doenças e sofrimento. Quer dizer que o desejo pode ser um caminho ou uma cilada.

E a melhor forma de lidar com isso é saber querer – embora as decisões cotidianas, por mais conscientes que sejam, não tenham como ser absolutamente garantidas. Afinal, errar e acertar fazem parte do processo evolutivo da alma.

O que nos ajuda a acertar mais e errar menos? Ampliar a compreensão da realidade e refletir sobre nossos desejos e as suas possíveis consequências. Talvez tenhamos nos acostumado a agir sempre obedecendo – a uma religião, uma ordem materna, uma tradição, um impulso – sem analisar. E talvez isso tenha embotado nossa clareza de pensamento, nossa lucidez. Mas nosso poder de discernir melhora com o exercício e, principalmente, quando estamos espiritualmente conectados.

Podemos pensar que o desejo é ruim, por vir de uma falta. Mas se o vemos como força interior que nos impulsiona para nosso melhor, ele é realmente algo pra se dar valor e aproveitar. Assim como a necessidade, a curiosidade. Apenas tenha bem claro, quem manda nele.

_____

* Durante o mês de julho,  você poderá rever alguns posts do blog Vidas Inteligentes. Retomaremos as publicações inéditas em agosto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s