A gente funciona dentro de alguns padrões aprendidos nas interações humanas e incorporados pelo Ego. Algumas vezes, trouxemos esse costume da própria família. A gente pode usar esses padrões como se isso fosse beneficiar alguém ou resolver uma situação, mas analisando melhor, vemos que de fato nada melhora.

A culpa, por exemplo, é um desses padrões. Se algo acontece que não me deixa bem, que não me agrada, posso culpar alguém e sentir algum tipo de falso alívio, mas sem que isso de fato melhore ou solucione a situação em si.

Mas quantas brigas começam por que algo aconteceu e culpamos o outro?

Eu posso, no entanto, em lugar de apontar o dedo, exercitar meu entendimento e minha espiritualidade nesse momento.

Temas: “Mulheres de Coragem”, culpa, Monja Coen

Ouça agora! Clique aqui:

Publicado por ritafoelker

Filósofa, palestrante e jornalista. Escritora reconhecida nos temas: espiritualidade, inteligência emocional e educação, publica livros desde 1992. Faz palestras no Brasil e no exterior, realizando sua formação com Roberto Shinyashiki / Instituto Gente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: