Alguém escreveu que “o Brasil é um país construído em bases violentas, mas que acreditou no mito do ‘brasileiro cordial'”, e atribuiu a frase ao filósofo e ensaísta húngaro Peter Pál Pelbart, num texto de autoria fake que circula pelas redes sociais. Mas como ele parece real e vi pessoas sensatas se entusiasmarem, concordando com ele e compartilhando, resolvi falar a respeito.

A frase acima faz uma afirmação de sentido amplo, que parece fundamentada. Não é raro que análises filosóficas e sociológicas reais, transformadas em textos escritos, criem generalizações para enfatizar um ponto e impactar o leitor. Cabe a nós, que não precisamos concordar apressadamente, pensar um pouco, estudar mais, descobrir até onde essas análises refletem uma realidade e onde são puras opiniões, meras frases de impacto… ou mentiras.

Assim evitamos embarcar na proposta de um texto que parece verdadeiro, mas cujas bases podem ser questionáveis. Nesse caso, a própria autoria é falsa, mas não apenas isso.

O texto replica o discurso de ódio que pretende denunciar

O autor oculto afirma que “o Brasil” – observe – é “machista, racista e homofóbico” – o que parece mais do mesmo ódio e ressentimento que o texto quer denunciar, destilado na própria frase.

O Brasil não é racista. Racista era a Alemanha nazista, com o racismo transformado em política pública. Os Estados Unidos nos anos 60, em que a polícia controlava onde os negros podiam ir e qual assento ocupavam nos ônibus.

É fato que existe o racismo por aqui e que ele vem da origem nacional, do tempo colonial. Mas não é uma crença generalizada. Uma parte dele é evidente pelas injustiças flagrantes e violência, mas aqui também existem consequências legais e jurídicas. Comportamentos que denotam racismo são proibidos e punidos pela lei.

Já os preconceitos íntimos de cada um não estão acessíveis, nem podem receber sanções. Mas suas manifestações são reprovadas e coibidas.

Creio que precisamos, sim, dar mais atenção para esses preconceitos íntimos, esse racismo ainda “invisível”, mas que aparece nos hábitos cotidianos de quem pensa que alguém – em geral, afrodescendente – vai ser “meu” serviçal/empregado, limpar “minha” sujeira, fazer o “meu” serviço pesado, mas achando que pagar os “seus direitos” é caro demais. E, pior!, ensinando isso, quando os filhos não precisam nem tirar seu prato da mesa e colocar na pia, porque têm alguém para ser empregado deles também. Adolescentes e jovens que, certo dia, viram ativistas políticos “pelas causas sociais e ambientais”, mas que nunca lavaram um banheiro, e que também aderem ao discurso de ódio que saem gritando, porque não aprenderam sobre amor e respeito, nem em casa, nem na escola.

Sobre a violência. Certamente vejo um país “construído sobre bases violentas”, como o falso Pelbart destaca. Mas discordo de que somente isso explique a violência com que convivemos. Note que outros países foram mais violentos na sua origem, como a Inglaterra, e não encaram o mesmo desafio que nós. A violência cresceu, em especial, porque se descuidou horrorosamente da educação e da cultura, mas também (como entendo a vida a partir de uma base espiritualista e reencarnacionista), pelos espíritos que reencarnaram nas últimas décadas trazendo essa violência escondida na bagagem da inocência infantil, sem que a família e as políticas educacionais obtivessem êxito em trabalhá-las, quando era importante: desde a primeira infância. E, mais triste que isso, vejo espíritas e espiritualistas que fazem análises sociológicas ou concordam rapidamente com elas, sem considerar o componente espiritual, e penso que isso os torna coniventes com as visões materialistas, iludidos por textos como o que estamos analisando ou iludidos com visões políticas desacreditadas pelo tempo e a experiência.

De fato, dinheiro da educação foi desperdiçado ou desviado, em governos passados. A formação universitária dos professores decaiu em qualidade e eles se viram sozinhos, recebendo pouco e precisando fazer o impossível. O Brasil teve problemas de má gestão e desinteresse da maioria dos políticos pelos verdadeiros desafios nacionais. Isso É um fato.

Providências que revertam esse quadro, que insiram a família na responsabilidade pela educação e orientação das crianças e jovens, junto com a escola, teriam efeitos altamente positivos na diminuição da violência e da delinquência. Vejo isso em muitas famílias que conheço e vou conhecendo. Elas perseveram orientando, ajudando as crianças a crescerem com bons sentimentos, respeito à Natureza e ao próximo, princípios e atitudes. Observo a trajetória bonita desses jovens.

E, só para não me alongar mais: a cordialidade do brasileiro não é um mito, ela é real, é um fato. É só caminhar pelos interiores – isso mesmo, a pé, não apenas passar de carro admirando paisagens de Minas e São Paulo (e outros estados também), em direção a um resort. Viajar e ver que a cordialidade está lá, lotada de exemplos das casinhas simples, nas cidades pequenas, quando precisamos de informação ou ajuda, e nós podemos senti-la no café farto e no acolhimento. Esses lugares que seguem longe do egocentrismo e falta de civilidade que cresce nos grandes centros urbanos, são espaços de simpatia, generosidade e hospitalidade genuínas.

Sobre o texto que lhe foi falsamente atribuído, o verdadeiro Peter Pál Pelbart publicou essa nota, na página de seu editor. “Jamais sustentaria essa posição irresponsável”, escreveu ele. Observe a data do esclarecimento, dois dias antes do Segundo Turno das eleições para Presidente da República de 2018:

Temos um grave problema de ética nas campanhas políticas, que denuncia os princípios morais de quem as planeja e implementa. E que é repetido pelos apoiadores criativos “bons” de escrita.

Enfim, é triste, mas vemos muitos que escrevem, hoje, no Brasil, tentando demolir nossa autoimagem positiva e dizer que somos menos do que somos. Chega de dizer que nada presta no Brasil e que está tudo errado! Houve erros, mas há capacidade de corrigi-los e ela está em cada um de nós. Ninguém é pequeno demais para começar a fazer diferença para melhor. Podemos começar bem, simplesmente selecionando em que acreditamos.

Publicado por ritafoelker

Filósofa, palestrante e jornalista. Escritora reconhecida nos temas: espiritualidade, inteligência emocional e educação, publica livros desde 1992. Faz palestras no Brasil e no exterior, realizando sua formação com Roberto Shinyashiki / Instituto Gente. Formação em Pedagogia Sistêmica pelo Instituto Hellen Vieira da Fonseca (em andamento)

Se junte à conversa

2 comentários

    1. Valdete, sinto muita necessidade de manter a lucidez e a atenção, no meio de tantas falas radicais e textos que espalham ideias equivocadas. Que bom que minhas palavras encontraram ressonância no seu coração.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: